Reconstituição da morte de Jennifer Tavares, adolescente estuprada e morta em Maringá-PR.

A reconstituição da morte de Jennifer Tavares, de 16 anos, que aconteceu segundo o acusado, na madrugada de domingo (05) de maio, foi realizada Hoje, (20) 13 dias após o corpo ser encontrado. A Polícia Civil, refez o percurso junto com Carlos Alberto ( Carlão) que está preso temporariamente na casa de custódia em Maringá.

Familiares e advogados de ambas as partes acompanharam a reconstituição do crime, que contou com investigadores da 9° SDP, e Peritos da Polícia Científica, junto com a Delegacia de Homicidio e Proteção á Pessoas DHPP.

Segundo o advogado de defesa do acusado ele não matou a menina, somente ficou assustado com o fato e não soube lidar com a situação no dia. ( Palavras da defesa) Já o advogado da Família da vítima ( Jennifer Tavares) espera que justiça seja feita, e diz” o suspeito chorou o tempo todo na reconstituição do crime, mas segundo a advogado Carlos foi simulado e espera que ele responda pelo crime”.

O trajeto feito pelo acusado e pela vítima foi realizado, tudo com os mínimos detalhes, começou no Motel localizado nas Margens da PR – 323 sentido a Cidade de Paiçandu, e em seguida no terreno baldio no Zona Norte de Maringá, ( Jardim Rebouças) após isso os policias foram até a casa de Carlos Alberto, onde segundo ele, teria ido após deixar o corpo da adolescente.

A Polícia Civil espera juntar mais detalhes através da reconstituição do crime para finalizar  inquérito, a família espera confiante na justiça, mas não quiseram gravar entrevista.

Fique ligado na página do MARINGA CIDADE URGENTE, no Facebook, em breve a entrevista do Delegado Diego de Almeida, da DHPP.

Deixe uma resposta